2.6.16

Tudo mundo morre. Mas nem todo mundo vive.

Um dos meus maiores medos é de chegar na velhice e perceber que eu não fiz as coisas que gostaria de ter feito nessa vida. Tipo, mesmo!

Claro que não estou falando apenas de coisas grandiosas ou pontuais como pular de asa-delta/paraquedas, praticar mergulho, comprar uma casa (sendo ela bucólica e em um lugar onde eu não tenha medo de viver e ser mulher é um bônus), ter um/a filho/a e passar pra ele/a bons valores, conhecer o mundo; mas também coisas como viver uma vida tranquila de espírito, estar minimamente em contato com a natureza, ser uma boa pessoa, fazer o que eu amo como forma de viver de forma digna e mais livre (leia-se carteira assinada)...

Também quero chegar nos meus 60 anos não com aquela sensação de que não estou mais vivendo. Que não estou mais indo no cinema, conhecendo aquele restaurante novo, aprendendo algo novo ou viajar pra algum lugar que nunca fui antes... Gostaria de continuar parando no meio da calçada quando eu sinto uma brisa mais fresca depois de meses de verão intenso, tirar uma foto de uma flor que estava pelo caminho e achei linda ou curtir o barulho da chuva.... Sinto que preciso sempre estar fazendo primeiras coisas, nem que seja preparar uma receita que nunca fiz antes, ouvir uma música de uma cultura diferente, etc... às vezes eu sinto que o mundo é tão grande e complexo que nunca vou conseguir entendê-lo nem 10%. E acho que isso não vai mudar quando eu tiver 60.

Não pensem que é fácil, porque é bastante opressora a ideia de sempre estar fazendo valer a pena e estar fazendo algo que me faça minimamente feliz. Nos dias de hoje, é mais fácil fazer uma composição bonitinha e postar fotos no Instagram.



Mas... fico chocada quando vejo pessoas que só escutam músicas americanas (ou só brasileiras, ou só japonesas), lêem um tipo de literatura, viajam pra mesma praia todo final de ano ou nunca revisitam seus sonhos, pra saber se continuam no caminho certo... tipo, como elas sabem se estão indo no caminho certo? Dá pra saber?

Muitas vezes a vida nos consome e no final do dia não rola energia nem pra checar o feed do Facebook, é um problema (#ironyalert), mas precisamos sempre estar atentos as coisas que desejamos pra nossa vida... antes que ela te engula. Esse texto pode parecer um monte de blá-blá-blá. Bem possível. Mas é a forma que eu vejo, beirando meus 30 anos e o que por, muitas gerações, foi o marco onde nos tornamos realmente adultos e igualmente quando chegamos na "metade" da vida. Chegamos? Mesmo? Tem gente que nem começou, e daqui 10 anos vai ser mais feliz do que eu. E tem gente que está ai na longa estrada da vida, mas com 45 tem um AVC. Hoje em dia cada história é tão única que não tem nem como ter um balanço se você é um loser ou não. Afinal de contas tem novas profissões que, com 20 anos, a galera ganha mais que muito CEO em empresas tradicionais e você não precisa nem tirar a cara do seu notebook ou celular, muitas vezes.


Você vai achar esse vídeo com legenda em português no Facebook. Não consegui achar pra compartilhar aqui. Se alguém me mandar o link eu atualizo. :)

Achei esse vídeo na internet hoje...  ele é poderoso e inspirador em vários sentidos e eu sinto que muito do que ele diz faz parte de mim e da forma apaixonada com que eu encaro a vida e o meu trabalho. Porém, entendo como pode ser assustador para aqueles que ainda não acharam seus sonhos, ou que os sonhos os acharam, como diz no vídeo (e a nossa geração está mais confusas do que nunca). Não acredito que a vida acaba quando decidimos o que queremos ser profissionalmente, por exemplo. Acho que essa pode ser a paixão da sua vida (entre outras coisas, espero), mas tbm acho que esse é apenas um caminho para viabilizar seus outros sonhos, como viajar o mundo, ser mãe, fazer trabalho voluntário, ajudar pessoas, trabalhar com as mãos, etc etc ad infinitum...

Escuto muito que eu comecei a trabalhar cedo, por isso consegui chegar em algum lugar (há controvérsias! rs) e se eu pudesse dar algum conselhor pra essas pessoas é: persiga seus sonhos. Mas tem que ser de verdade! Como todo seu coração, corpo e alma (isso tbm fala no vídeo.. gente, assistam o vídeo! rs).

Se você ainda não souber quais são esses sonhos, persiga o que você ama fazer por essência. O que, quando você faz esquece do resto do mundo, não se importa com as adversidades, nem de trabalhar muitas horas por dia, sábado ou domingo ou não seja pago, é provável que tudo isso aconteça hora ou outra. E se, ao fechar a conta, você não se sentir orgulhoso do que fez mesmo com todas essas adversidades, não é amor. Just keep going e acima de tudo, tenha paixão pela vida.

Mas... e você? O que quer da sua vida? O que você quer fazer que vai te dar orgulho de olhas pra trás?


7.4.16

(re)descobrindo aquarela


Entrei na faculdade de design com 17 anos #baby (anos depois acabei me formando em artes visuais) e desde essa época tive várias aulas em vários lugares de desenho de observação, laboratórios de ilustração, pintura, etc, mas nunca tinha me interessado muito por aquarela... só que esse ano, a minha paixão por desenhar plantas me levou a começar um curso de ilustração botânica, e a técnica é aquarela. Como eu já tinha uma paleta (essa da foto) da Winsor&Newton, de 12 cores, e alguns pincéis, só precisei aparecer no ateliê da minha professora de coração aberto para aprender coisas novas.

E me apaixonei!!! Continuo achando super difícil, mas venho descobrindo aos poucos que tendo um bom professor (e a minha é ótima) e muita força de vontade, o medo vai indo embora e dá lugar à segurança. Meu caminho ainda é longo e envolve muito suor, uma média de duas horas de estudo por dia e muita auto-terapia pra lidar com as frustrações, mas também é muito gratificante ver a sua própria evolução (e isso só com 3 semanas de aula, hein?!).

Então tenho produzindo muito... provavelmente muitos dos próximos posts serão sobre isso. :)


10.2.16

Saldo do carnaval: filmes


Não, não estou com glitter até na alma. E não tem nenhuma música de carnaval na minha cabeça, nem estou de ressaca, toda imprestável. Nada contra quem curte o carnaval, mas o meu jeito de curtir a folia é outro. Também faço parte do time dos Unidos do Netflix e Acadêmicos das leituras atrasadas! Seeendo assim, vim contar quais são os filmes que assisti no feriado. Infelizmente não consegui ler tanto quanto gostaria, então eu só terminei um livro que estava em andamento e cheguei na metade de outro (quando terminar esse segundo eu faço um post).



Tão Forte e Tão Perto ★★★★☆

Difícil falar desse filme. Ele é baseado no livro Extremamente Alto & Incrivelmente Perto, de Jonathan Safran Foer (eu só li esse livro dele mas já se tornou um autor favorito). Depois vou falar com calma desse combo livro + filme, mas já adianto que eles tiveram que adaptar um pouco a história, claro, mas conseguiram manter a sensibilidade e a melancolia do filme. Pra quem não conhece, ele que conta a história de um menino super peculiar, que perde o pai no 11 de setembro e parte em uma aventura para desvendar um mistério envolvendo uma chave que ele encontrou nas coisas do pai.



Poltergeist ★★★☆☆

Acreditam que eu nunca tinha visto esse filme? É claro que se eu tivesse assistido quando eu era criança teria tido um outro efeito sobre mim... não é como Goonies, que você pode assistir em qualquer idade que tudo bem, vai continuar sendo fantástico. O filme é de 1982, então os efeitos hoje em dia são considerados bem grotescos e o roteiro não é nada genial (de novo, pra época deve ter sido algo especial). Virou um cult, quase um filme B, mas mesmo assim fico feliz de ter assistido e vou assistir os outros dois da trilogia.



Clube dos cinco ★★★☆☆

Também nunca tinha assistido esse. É divertido ver como todos os cinco cobrem bem os estereótipos dos alunos de colégio ameriano: o bad boy, o esportista, o nerd, a patricinha e a esquisitona. Hoje em dia isso já tá bem batido e eu nunca assistiria um filme assim se tivesse sido lançado em 2016, mas eu adoro esses filmes com aura dos anos 80 porque a trilha sonora nunca me decepciona! Porém, achei o roteiro fraco e a relação entre eles meio forçada, mas pra um filme sessão da tarde, tá ótimo!

||| BÔNUS ||| Arquivo X (1ª temporada) ★★★★★

Gente! Gente, para tudo! O Dayan começou a assistir esse seriado há algumas semanas e eu fiquei toda "ah, nem ferrando vou começar a assistir um seriado com 9 temporadas!", então ele decidiu começar a assistir sozinho. Sempre ficava na sala com ele, no notebook, fazendo meus crochês.... quando eu me vi assistindo e viciada na série! Faltam 3 episódios pra terminar, mas já ganhou 5 estrelas! Que venham mais 8 temporadas!


E foi isso! Queria muito ter visto os filmes do Oscar, mas como ele é só dia 28 dá tempo de fazer uma maratona até lá. E vocês, o que fizeram no carnaval?


2.2.16

Eu fiz meu primeiro amigurumi. E ele se chama Alfredo.


Tricoto há alguns anos, mas foi só no ano passado que resolvi aprender crochê. E foi amor a primeira vista. É mais fácil e dinâmico que o tricô, e se você perde algum ponto não é aquele desespero. Estou sempre aprendendo mais e tem se tornado um vício.

Daí que em algum momento do ano passado resolvi fazer um amigurumi (que são bichinhos de pelúcia/decoração feitos de crochê) e fui atrás de referências, mas achei maioria meio cafoninha, sabe?! Foi quando achei o trabalho da Jen Willians e fiquei apaixonada. A forma do coelhinho era simples, eu achei que era capaz de fazer, então, com a ajuda da minha sogra começamos a pensar como ele poderia ser feito, pois copiamos o coelho de olho, ela não dá a receita (na verdade usamos ele como referência... o meu é bem maior e com algumas diferenças).


Foi um projetinho longo (mais por culpa minha, por ter deixado de lado por várias semanas, do que do trabalho que ele realmente me deu) e o acabamento está bem amador, mas é meu primeiro amigurumi e fiquei bem feliz com ele. :)

Eu estou tão empolgada com o mundo do crochê que estou desenvolvendo algumas novidades, que não posso contar agora, mas já adianto que são coisas lindas! Essas sim serão criações minhas e eu vou vender no Cambada, um projeto que tenho em parceria com o Dayan, e que é minha grande aposta de 2016. Aguardem!!! #expectativas

Nota de esclarecimento: o meu coelho foi copiado por mim e pra mim, sem intenção nenhuma de comercializar. Como nas artes, há uma política rigorosa de plágio entre as criações de crochê e tricô, nunca copiaria pra vender e ganhar dinheiro em cima das criações de outra pessoa. 

 

14.1.16

4 marcas de slow fashion pra comprar

Depois de ver notícias como essa, tenho cada vez mais certeza que preciso parar de comprar roupa em loja de departamento. Isso é muito difícil, pois 100% das minhas roupas vem dessas lojas (deixei de comprar no eBay faz muito tempo), já que não gosto muito de comprar roupa em brechó e não tenho dinheiro suficiente para comprar em lojas mais caras, onde eu sei que a produção é mais controlada. Acredito também que essa seja a realidade da maioria das minhas amigas, que inclusive não compramos de outros lugares por falta de informação ou conhecimento de marcas alternativas.

Sendo assim, trago nesse post 4 marcas lindas que eu gosto muito e que tem um posicionamento super do bem (usam materiais orgânicos, vegan, sem exploração de pessoas ou da natureza, etc) além de ter coisas lindas.



 1. EVNA Acessórios lindos com pedras naturais feitos sob encomenda pelas mãos da própria dona da marca. Acompanho desde que começou e é muito gratificante ver o reconhecimento que a marca tá tendo agora.

2. MARIA NUVEM Faz roupas lindas, cheias de estilo, com leveza, elegância, ai, só amor!

3. INSECTA SHOES Tem uma proposta muito interessante: reutilizar o tecido de roupas de brechó e que já foram esquecidas pelos seus donos, e transformá-las em sapatos lindos! Sem contar que a marca é vegana.

4. GIOCONDA CLOTHING Peças íntimas e de ficar em casa feitas de algodão. Respeitam nosso corpo e o meio ambiente.

Nem sempre essas marcas vão ser mais baratas do que as coisas que você vai encontrar na Forever 21 ou na Riachuelo, como no caso da matéria que saiu essa semana, mas você certamente vai estar apoiando pequenos produtores/criativos a viverem do que amam e dão o seu melhor pra fazer seu negócio dar certo!
Quando você compra de um pequeno negócio, você não está ajudando um presidente de uma grande empresa a comprar sua terceira casa de férias. Você está ajudando uma garotinha a ter aulas de dança, um garotinho a ter sua camiseta de time de futebol, uma mãe ou pai a colocar comida na mesa, a família a pagar a hipoteca ou um estudante a pagar seus estudos. Nossos consumidores são nossos acionistas e nos esforçamos pra fazê-los felizes. Obrigada por apoiar pequenos negócios! [tradução livre]

Sem contar que eu sempre fui uma pessoa consumista, quando se trata e roupa/bolsa/sapato. Aos poucos eu venho aprendendo que menos é mais, principalmente se você se preocupa com a qualidade e a origem dos produtos que está comprando... Isso acaba compensando o fato de se pagar um pouco mais pelas peças.

Bem, gente, é isso! Muitas marcas vocês já devem conhecer, pois comecei a pesquisar esse universo há pouco tempo e conheço só as mais famosas... então se vocês conhecerem outras marcas/lojas, por favor, me avisem. E quem se interessa por esse assunto (consumo consciente, veganismo, ativismo, slow life etc), visitem o site mais atual e legal que tenho acompanhado, o Modefica.
 
–––––––
Sei que estou devendo um post pra falar dos produtos crueltyfree/base vegetal que estou usando ultimamente, gente. Estou testando tudo e quero escrever esse post com calma, ok? Lembrando que eu não tenho know-how pra fazer esse post, mas vocês ficaram muito curiosas e quanto mais gente conseguirmos trazer pro lado negro da força, melhor. ;)

:*